sexta-feira, 20 de junho de 2014

Metallica no Glastonbury vs Hipsters vs Hiposcrisia Reacionária

“Metallica no Glastonbury vs Hipsters vs Hiposcrisia Reacionária”




Pra você que não conhece ou não sabe o que é e o que significa o festival de Glastonbury abaixo segue um breve resumo:

O  festival começou em 1970 com o nome de “Glastonbury Festival of Contemporary Performing Arts”, no mesmo ano em que foi realizado um outro importante festival de música, o da Ilha de Wright. De 1970 até os dias atuais foram realizadas mais de 40 edições anuais, esse festival é considerado o maior evento de música realizado a céu aberto no mundo. Grandes nomes da cena musical britânica e mundial já se apresentaram em Glastonbury e a fazenda Worthy Farm já recebeu diversos artistas do jazz, rock, pop, blues, black music e música eletrônica, além de apresentações artísticas de circo e teatro.


Glastonbury Festival of Contemporary Performing Arts

Metallica no Glastonbury:


Como todas as manhãs abro a página oficial do Metallica e do Fã clube Brasileiro oficial (sim sou fã da banda) e costumo ler sobre novidades da banda, eventos, novos shows, novos downloads abertos e etc, porém nesta manhã li que o Metallica ia se apresentar no festival Glastonbury, ok, mais um festival que o Metallica iria ser “headliner”, que novidade isso me apresentaria? Nenhuma, com a banda tendo mais de 30 anos de estrada, mais de 9 Grammys, tendo lançado o disco mais vendido do mundo em 1991 (segundo a Soundscan), tendo em seu facebook oficial incríveis 37 milhões de “curtidas, tendo um dos maiores fãs clubes pagos do mundo, fazendo inveja até a grandes clubes de futebol que não conseguem trazer tantos “adeptos”, porém logo em seguida me perguntei se esse não seria o famoso festival “hipster” e impenetrável até então por bandas de metal (Já passaram por lá bandas de rock um pouco mais pesado, mas nenhuma realmente pesada e tendo vertentes totalmente voltadas ao metal), achei legal, ok, volto as minhas atividades até que os sites especializados em música começaram a noticiar reações contrárias a participação da banda no festival, a primeira que li o vocalista do Arctic Monkeys havia se pronunciado contra a presença da banda no festival alegando que ali não era o lugar deles, me perguntei: “Estamos vivendo uma era de pré-conceitos ou uma era de romper barreiras?”
Arctic Monkeys

O mesmo vocalista da banda Arctic Monkeys, junto com sua banda há alguns meses atrás tocou no festival “Orion Music And More”, qual problema? Nenhum, o festival só pertencia ao Metallica e era comemorativo, onde tocaram diversas bandas de metal e algumas de outros estilos, pois a banda quis inovar, miscigenar e chamar bandas de outros estilos que eles ouvem e curtem, ou seja, pra aceitar dinheiro a miscigenação é válida por parte do vocalista da banda inglesa, mas quando é o contrário é inaceitável e invasivo aceitar uma banda de metal, ou seja, para interesses próprios, angariou midia gratuíta sem levantar fúria contrária a sua ideia, pois seguindo a maré a chance de sair ileso é quase certa, além do Arctic Monkey ser o tipo de banda que poderia vir a ser headliner desse tipo de festival e é obvio que não querem concorrência de “medalhões”, ao “abrirem” esse tipo de porta poderão ter que concorrer num futuro próximo com Rolling Stones (Que já tocou no Galstonbury em 2013), Black Sabbath ou qualquer outro “medalhão”, estão agindo com medo de perderem espaço, não digo que não tenham direito de exigir o seu espaço, só que o faça com honestidade e transparência.
Mogwai
Após isso Barry Burns de uma banda chamada Mogwai (se pronuncia “Mógay”) se pronunciou dizendo que o Metallica não deveria estar naquele festival, que a banda é uma “merda” e que mal esperava a hora de ver o Lars Ulrich (baterista do Metallica) tocando bateria novamente, porque ele é incrivelmente ruim, analisando tal situação, levo vocês a se perguntarem quem é Barry Burns? Quem é Mogwai? Eu não conhecia até então, logo esse foi o momento dos caras serem polêmicos e do contra com o apoio geral, isso hoje em dia é moda e gera midia gratuíta para bandas, refletindo um pouco mais me perguntei: “Que banda gostaria de tocar em um festival que em dois palcos as bandas tocam ao mesmo tempo, onde você tocaria no palco 2 e o Metallica no palco 1?” Resposta fácil: Nenhuma banda em sã consciencia gostaria de tal fardo, ai após isso lembrei que o Mogwai vai tocar no palco 2 na mesma data e hora que o Metallica vai estar tocando no palco 1... Acho que isso já é o bastante pra entender a raiva...

Mostramos como um “blablabla” musical pode ter muita coisa por trás certo? Acredito que sim e que ninguém havia considerado o outro lado da “história”.
Metallica só rindo de tudo

Novos problemas


Quando eu pensei que tudo estava terminado, mesmo porque criticas de bandas que nem largaram as fraldas não abalariam uma banda com mais de 30 anos de estrada, por que se formos olhar o passado do Metallica essas criticas podem ser consideradas “fichinha” e infantis perto do que os membros da banda já sofreram ao longo da sua carreira, basta uma rápida pesquisa sobre os assuntos “Metallica/Napster”, os discos do Metallica “Load”, “Reload”, “St. Anger”, até o controverso “LULU”, último disco do Lou Reed lançado com o mesmo em vida, onde o Metallica foi convidado a fazer a parte instrumental do disco, esse disco foi alvo de severas criticas por parte dos fãs do Metallica(Os mais chatos e exigentes do planeta!), mas o Lou Reed não foi culpado por nada no suposto disco “ruim”, apenas o Metallica levou toda a chacota e responsabilidade pela instisfação dos fãs com o resultado do disco, lembro que o disco é do Lou Reed! E uma rápida leitura sobre o conceito do disco qualquer um que curte Lou Reed irá entender e gostar, o disco é uma representação artistica como uma peça ou livro e a música serve apenas de trilha sonora para a história contada.
James "caçador" Hetfield

Voltando a questão do festival, somente a alegação de trazer uma banda mainstream de metal seria contra produtivo ao festival não foi suficiente para conseguirem total atenção a “marcha” contra a banda “transgressora”, foram buscar mais ainda no “lixo” dos membros do Metallica e “descobriram” (O mundo inteiro já sabia há um século) que o vocalista e guitarrista da banda está narrando um documentário sobre caça (“The Hunt”), agora mobilizam pessoas na internet para que assinem uma petição pedindo a exclusão da banda por esse motivo, porém eu que escrevo esse texto afirmo que não concordo com a caça, não sou a favor da caça, porém boicotar uma banda porque o vocalista dela vai narrar um documentário sobre caça parece extremamente ridiculo, o senhor Hetfield já caçou, foi caçador nas horas vagas, “foi” = não caça mais... Pelo menos não há evidências que o mesmo cace há pelo menos uns 10 anos, porém isso é motivo pra o mesmo não poder tocar no festival de Glastonbury? 
 
Só porque gosto de caçar?

Analiso o seguinte, primeiro estamos em um século onde todo mundo tem opinião sobre tudo, porém ninguém se questiona antes de opinar sobre algum assunto, onde não há um auto julgamento, não há pesquisa e apuração dos fatos nunca, pois já que é para julgar alguém, vamos nos julgar também, eu me incluo no balaio (sou humano e erro também!), se vamos julgar vamos nos atentar aos fatos contrários, o Matt Sorum (Ex-Baterista do Guns ‘N Roses) fez criticas severas ao James Hetfield e clamou pela exclusão da banda do festival, porém o Matt Sorum não é parâmetro, pois o próprio Guns já causou tantos danos, brigas, acidentes e etc, que não acredito na moral do Matt para falar mal da conduta de outra pessoa e se ele está comprando briga com o vocalista que não inclua o restante da banda no mesmo balaio, Matt Sorum ainda junto com o restante da banda Guns ‘N Roses já tiveram vários atritos com o Metallica, não seria tudo mera vingaça por ego ferido?

O mesmo festival que já teve como headliner artistas como PJ Harvey que é declaradamente a favor de cães caçando raposas até a sua morte, o Bono Vox (U2) que é um ávido por “defender” a humanidade, já fretou um voo de R$ 3.500 para buscar um chapéu (Que ajuda humanitária poderia ser feita com esse valor?), então os mesmos que não sejam hipócritas, era melhor afirmar o desconforto cultural, não há motivo para que os mesmos toquem no festival se não a mistura de raiva, ego e desconforto com o “desconhecido/inexplorado”.
Pagina criada para petição contra o Metallica.

Ouve reacionários no metal também, mas tanto reacionários do metal quanto “hipsters” fariam melhor se entendessem que o festival de Glastonbury sempre se orgulhou de ter as suas portas abertas a diversidade cultural, então fariam melhor que todos fossem tolerantes a diversidade (precisamos cada vez mais disso), aceitassem ou simplesmente que não comprassem os ingressos.

A todos vocês eu apenas espero que analisem os fatos e digam, é correto expulsar um músico de um festival por suas ações fora do mundo da música? Ainda mais por simplesmente narrar um documentário? Ele não levanta e nunca levantou nenhuma bandeira a favor da caça, então reflitam e pensem se realmente é válido esse tipo de ação...



Nenhum comentário:

Postar um comentário