sexta-feira, 18 de maio de 2012

Leitura a primeira vista #1





Iniciamos aqui uma nova seção de podcasts, nos quais responderemos a e-mails e comentários. Além disso, apresentaremos bandas que não são tão favorecidas pela mídia comum e lançaremos nossos quadros como "a sentença é verdadeira?"; tudo com a intenção de tornar nossos casts mais dinâmicos e, é claro, menores. Afinal, sabemos o quanto é difícil ouvir um cast com mais de uma hora de uma única vez. Nesse episódio de estreia, além do Triunvirato Eutérpico formado por Alan Costa (@neilpeartnoy), Daniel Martins (@Danielviola) e Tiago Malta (@OTiagoM), contamos com a participação especial dos convidados Marcelo Vargas (@marcelovsrj) e Vaca, para nos ajudar com a tal leitura à primeira vista, que, assim como na música, requer, muitas das vezes, capacidade de improvisação.

Trilha Sonora
CV - GloriaSPC - Não Faz Assim
CV - Hamlet (trio)
Gabriel Pensador -Filho da pátria iludido
CV - Hamlet (quinteto)
Dirty Projectors - Useful Chamber
CV - Another brick in the wall
Drenna Rock - Abstrato
Banda Halé - Saco de Bosta
DJ Mixxxuruca - Gloria (reverse remix)


Links de Referencia

Globalização Milton Santos - O mundo global visto do lado de cá.
http://youtu.be/-UUB5DW_mnM

Campion - Never weather beaten sail
http://youtu.be/p15YVMD-WAY

Drenna Rock

11 comentários:

  1. Hello, galera da Euterpe. Gostei muito do podcast, mas venho que aqui para advogar em favor da Lingua Inglesa(não resisti). Já ouvi em outras situações comentários como: “inglês é uma língua pobre”, “não tem sonoridade” e mais especificamente a música diz-se que “as letras não tem profundidade”. Consciente dessa imensa muralha linguística que separa a nós, latino descendentes, deles, Anglo-saxões, é de se compreender haja estranhamento de um lado com o outro, ainda mais se considerarmos os estigmas presentes desde suas origens, onde descreve-se o Latin como a língua dos homens sábios e civilizados (muito embora também utilizarem-se muito bem das armas), tão diferentes dos bárbaros anglo-saxões com seus rugidos, devido as poucas vogais e consoantes aglutinadas, que deixam a sonoridade tão pesada e violenta.

    Porém, toda língua viva sofre o processo natural de desenvolvimento e durante séculos, a língua Inglesa sofreu várias influências que causaram-lhe mudanças em nível vocabular, estrutural e fonético. Uma das influências é do francês utilizado em larga escala no período conhecido como "Middle English".

    Ocorre que a inserção dos elementos estrangeiros, assim como as mudanças naturais com o tempo, deixam a Língua bem mais suave, transformando-a num terreno fértil para o surgimento de grandes nomes da Literatura mundial, nomes que foram, que são e sempre serão lembrados. O primeiro nome que vem a mente é do Inglês Willian Shakespeare, tão famoso por suas tragédias e comédias, de escrita profundamente poética, versos trabalhados, métrica impecável. E o que dizer dos sonetos Shakesperianos? Transbordam de lirismo e seus versos, rimas parecem flutuar ao som da mais suave nota musical... Poderia tal efeito ser possível diante de uma língua “pobre”? Poderia uma língua “bruta” ter servido de matéria prima a tais obras?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Há ainda outra problemática na questão, esta é a referente ao despreparo dos tradutores, que, nem sempre profissionais preparados para a tarefa, acabam fazendo um trabalho menor e disponibilizando traduções de pouca ou nenhuma qualidade. Esse fato é facilmente comprovado se lembrarmos do grande número de traduções, que uma única obra, seja um poema, uma música, um romance que podem ser encontrados na rede.

    ResponderExcluir
  4. Aí vai um dos sonetos de Shakespeare. Soneto 147, direcionado a "Lady Dark" uma mulher a quem a voz do poema se refere tanto com amor como com ódio. sentimentos tão intensos e conflitantes que chegam a ser comparados a uma doença.

    My love is as a fever, longing still
    For that which longer nurseth the disease,
    Feeding on that which doth preserve the ill,
    The uncertain sickly appetite to please.
    My reason, the physician to my love,
    Angry that his prescriptions are not kept,
    Hath left me, and I desperate now approve
    Desire is death, which physic did except.
    Past cure I am, now reason is past care,
    And frantic-mad with evermore unrest;
    My thoughts and my discourse as madmen's are,
    At random from the truth vainly express'd;
    For I have sworn thee fair and thought thee bright,
    Who art as black as hell, as dark as night.

    Tradução:


    Meu amor arde como febre, ansiando ainda
    O que por muito tempo causou-me mal-estar;
    Alimentando o que me mantém doente,
    Para satisfazer o apetite incerto e doentio.
    Minha razão, o médico do meu amor,
    Zangado por sua prescrição não ser seguida,
    Abandonou-me e, eu, desesperado, agora sei
    Que meu desejo é a morte que a ciência pôs de lado.
    Não tenho mais cura, não tenho mais razão,
    Enlouquecido em eterno desassossego;
    Meus pensamentos e minhas palavras são de um louco,
    À parte da verdade expressa em vão;
    Pois te jurei ser autêntico, e acreditei-te iluminada,
    Tu, que és negra como o inferno e escura como a noite.

    Sinta a sonoridade do texto original nesse link: http://www.youtube.com/watch?v=JH8gm0wFYUI&feature=related

    It´s beautiful, isn´t it? :)

    ResponderExcluir
  5. Fala caríssimos!

    Aqui é o Douglas o Exumador do Podtrash mais uma vez!

    Cinema sem música é que nem pão sem manteiga! Sim, agradeço o convite e topo participar do cast (que promete!) sobre música, os compositores e os filmes.

    Seja Danny Elfman, Hans Zimmer ou Basil Poledouris, o tema merece ser explorado. Aliás, o Rapaduracast, que é de cinéfilos e não de músicos, tem episódios sobre alguns desses excelentes compositores, olha os links aqui:

    http://www.cinemacomrapadura.com.br/rapaduracast/rapaduracast-228-jukebox-maestro-danny-elfman/)

    http://www.cinemacomrapadura.com.br/rapaduracast/rapaduracast-177-jukebox-maestro-hans-zimmer/


    O tema é vastíssimo, ainda temos uma infinidade de gente muito boa como Nino Rota, (parceiro do Fellini), Ennio Morricone (parceiro do Sergio Leone) e Bernard Herrmann (parceiro do Hitchcock), sem falar das apropriações de músicas que não foram feitas pro cinema originalmente. Nesse quesito em particular, Stanley Kubrick era o cara, se pensarmos em Strauss no 2001: Uma Odisséia no Espaço, Beethoven no Laranja Mecânica, Bela Bartók em O Iluminado e por aí vai!

    E sim, sobre outras trilhas que vocês mencionaram, Akira é espetacular!

    Tamos aí, sucesso e um abraço caríssimos!

    P.S.: o Podtrash de A Centopéia Humana sairá em breve! Horror eterno!

    ResponderExcluir
  6. Valeu pelas dicas Exumador, vou ouvir esses pods e ver com a galera tem explorado esses temas, nem fala dos que vc citou, adoro Morricone, já toquei ele no Recine, é muito bom! Basil eu tenho um apego de criança, desde quando passava Conan na tv, naquela velha seção da tarde, é verdade ainda tem a participação dos compositores em filems consagrados, é o que falei para a galera quando começamos o projeto: tema é o que não falta!
    sim eu baixei Taxidermia, só falta assistir ahhaha! só assim poderei ouvir o Podtrash da Centopéia!
    Seja sempre bem vindo para escavar nossos ossos Exumador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade nos três já tocamos Morricone no Recine, né Daniel? E Juntos rsrsrsrs

      Excluir
    2. é que percussionista não é músico =P pessoal da cozinha e fogo

      Excluir
    3. Não se esqueça que, pra eu virar maestro, basta me livrar de uma das baquetas. Rs!

      Excluir
  7. Assistam Taxidermia e Canibal Holocaust para aquecerem os estômagos, porque a Centopéia Humana deve aparecer no Podtrash em breve!

    É uma excelente ideia fazerem um podcast sobre a música no cinema tomando por base um grande compositor. E podem ter certeza que o Douglas irá enriquecer muito o conteúdo,o cara é um monstro de cultura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda estamos decidindo qual compositor fazer, na verdade queriamos fazer de alguém inédito nos cast, é claro que a abordagem sempre vai ser diferente, falar de um compositor, de suas trilhas sonoras, abrem até papo para outros assuntos ligados.
      Sobre o convite, está aberto a todos do Podtrash que se sentirem a vontade de participar! =)

      Excluir